Porto x Madeira: uma confusão fortificada!

Ambos são vinhos fortificados de origem portuguesa. Simplificando, os dois caracterizam-se pela riqueza em álcool e pelo teor em açúcar. São o resultado de uma fermentação alcoólica parcial, interrompida pela adição de aguardente vínica de alta qualidade. Mas e o que os diferencia?

 A origem

As uvas utilizadas no vinho do Porto são cultivadas no Vale do Douro, e os vinhos são envelhecidos na cidade do Porto e arredores. Já o Madeira é um vinho originário da ilha portuguesa de mesmo nome, que fica além da costa do Marrocos, a 1.100 km da costa portuguesa e a 600 km da costa africana.

 As cepas

As principais uvas utilizadas para a produção de vinho do Porto são Touriga, Bastardo, Mourisca, Sousão, Tinta Cão, Tinta Francisca e as brancas Malvásia, Verdelho e Rabigato. E as castas mais presentes no vinho Madeira são Malvasia, Bual, Verdelho, Sercial, Malmsey, Tinta Negra Mole, Terrantez e a Bastardo.

 A concentração de açúcar

A concentração de açúcar destes vinhos também é diferente. Um Madeira pode variar de menos de 49,1g/litro (extrasseco) até mais de 96,1g/litro (doce), enquanto a variação do Porto é maior, indo de menos de 40g/litro (extrasseco) até mais de 130g/litro (muito doce). No entanto, a maior parte dos vinhos do Porto são doces, com concentração de açúcar entre 90 e 130g/litro, alta em comparação ao Madeira.

As diferentes concentrações de açúcar são resultado de diferentes momentos de interrupção da fermentação alcoólica pela adição de aguardente: permitir maior tempo de fermentação resulta em vinhos mais secos; interromper o processo de fermentação por meio da aguardente mais cedo, produz vinhos mais doces.

 O envelhecimento

O Vinho do Porto se divide em dois "mundos": envelhecimento em carvalho e em garrafa.

Os Portos Tawny, envelhecidos e conservados em barris de carvalho por longos períodos, são engarrafados somente quando estão prontos para serem consumidos. A perda por evaporação que ocorre no envelhecimento em madeira pode chegar a 2% ao ano. Isso significa maior concentração de ácidos e de açúcar.

Mas também existem os vinhos do porto que vão envelhecer em garrafas, que são os Portos Safrados, engarrafados quando jovens, quando ainda têm necessidade de tempo para suavizar seus taninos e adstringência.

O envelhecimento do vinho Madeira dá-se por um processo de maturação que utiliza calor, numa tentativa de simulação das condições a que esses vinhos eram submetidos nas suas longas travessias oceânicas até as Índias, quando atravessavam duas vezes a linha do Equador. E esse calor também é obtido de duas formas diferentes.

O vinho Madeira pode ser colocado em cubas de aço inox, e aquecido a 45 ou 50°C, sendo mantido a esta temperatura através de um sistema de permuta com água quente, durante um período nunca inferior a 3 meses.

Os vinhos Madeira de qualidade superior são envelhecidos por um processo de maturação conhecido como “canteiro”, no qual empilham-se os cascos de madeira na parte superior dos armazéns, muito próximos ao telhado e, portanto, com pouco isolamento, para que possam usufruir do calor que ali se acumula. O clima subtropical da ilha da Madeira é o ideal para este tipo de processo de maturação.

 

Depois de esclarecidas essas diferenças, que tal provar ambos, para tentar entender os motivos de Portugal ser mundialmente reconhecido por seus excelentes vinhos fortificados?




Você está em

Quem somos

 

O Tintos&Tantos nasceu em 2013, e em seu pouco tempo de vida, já se tornou uma referência no mercado editorial de vinho, nacional e internacionalmente.

 

Para contar quem somos, primeiro vamos dizer quem nós não somos. Não somos um blog de vinhos. Não somos críticos de vinhos.

 

O Tintos&Tantos é um portal de Internet, que dá acesso a um conteúdo editorial, de produção própria, inteiramente dedicado ao mundo do vinho. 

 

Nossa contribuição é prover informação imparcial, relevante e gratuita.  Sempre em linguagem acessível e agradável de ler.

 

O intuito do Tintos&Tantos é o de fomentar o estudo, o interesse, a crítica, e até mesmo a polêmica a respeito do vinho.

 

Nosso foco não é competir com outros geradores de conteúdo, pelo contrário: ao sermos mais um agente no desenvolvimento desse mercado, e na consolidação dessa cultura, todos nós, apaixonados por vinho, ganhamos: consumidores, editores especializados, blogueiros, youtubers, produtores, importadores, sommeliers, enólogos e enófilos em geral...

 

Na nossa opinião, quanto mais gente do bem estiver falando sobre o mundo do vinho, com respeito e profissionalismo, melhor para todos nós.

 

Assim, é com imensa satisfação que criamos conteúdo diário e interagimos com cada leitor, através dos nossos canais de comunicação e de mídias sociais. 

 

No Facebook (www.facebook.com/tintosetantos), por exemplo, onde tantos amigos nos acompanham, é com orgulho que constatamos ser, o Tintos&Tantos, a maior página do Facebook, no mundo, em sua categoria! Uma comunidade de pessoas curtindo, comentando, se divertindo, aprendendo e ensinando, concordando e discordando... Todos nós, apaixonados pelo maravilhoso universo que cerca o vinho.

 

Não somos donos da verdade. Na verdade, recomendamos fortemente que se duvide de qualquer um que diga conhecer tudo sobre vinhos.

 

Esperamos que você aprecie e que continue nos acompanhando, e sempre que possível, ajudando na divulgação e propagação desse projeto, cujo foco será sempre você, vinhonauta!

 

A você, o nosso muito obrigado!

A você, o nosso brinde!

 

Em caso de dúvida, crítica ou sugestão, entre em contato pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.