Vinhos de clima frio

Você talvez já tenha ouvido falar na expressão “vinhos de clima frio”, mas você sabe que vinhos são esses? Aventure-se conosco por mais uma descoberta no mundo dos vinhos!

Em primeiro lugar, vamos esclarecer: este termo refere-se à temperatura na qual as uvas são cultivadas, e não à temperatura ideal para a apreciação.

Enquanto uvas cultivadas em regiões quentes do mundo amadurecem rapidamente, produzindo vinhos com tendência a ter maior teor alcoólico, as uvas cultivadas nas regiões mais frias amadurecem lentamente, e produzem vinhos que tendem a apresentar maior acidez e mais sabores minerais.

Enquanto uvas cultivadas em regiões quentes do mundo amadurecem rapidamente, produzindo vinhos doces, pouco ácidos e com alto teor alcoólico, as uvas cultivadas nas regiões mais frias amadurecem lentamente, com sabores mais intensos, produzindo vinhos que tendem a ser mais complexos e equilibrados, com maior acidez e mais sabores minerais.

Os vinhos de clima frio, em geral, são os melhores vinhos para harmonizar uma refeição, pois os sabores complexos e a maior acidez ajudam a acentuar os sabores da comida.

E como determinar se um vinho é ou não de clima frio? As regiões vinícolas de clima frio são caracterizadas, basicamente, por terem alta amplitude térmica diária, com noites geladas durante a época de crescimento das uvas, e com as quatro estações do ano bem definidas, incluindo outonos frios. Em geral são vinhedos de baixo rendimento (maior custo de produção, portanto), e mais propensos aos caprichos da natureza, correndo risco de geada.

Em termos mais técnicos e objetivos, existe um índice, chamado HDD (Heat Degree Days), usado por produtores de todo o mundo, para comparar diferentes climas. Regiões de clima frio devem ter esse índice menor que 1.600, como, por exemplo:

 Na França: Champagne com HDD 1.131, Borgonha com HDD 1.264, e Bordeaux com HDD 1.420.

 Na Austrália: Tasmânia com HDD 1.000, Adelaide Hills com HDD 1.278, e Coonawarra com HDD 1.437.

 Na Califórnia: Vale do Napa com HDD 1.499.

Para termos uma ideia, Campos do Jordão, cidade paulista do Vale do Paraíba, conhecida pelo clima frio e apelidada de “Suíça brasileira”, apresenta um HDD 1.437, enquanto a cidade do Rio de Janeiro, principal cartão postal do Brasil, apresenta um HDD 3.237 (quente, não é?).

Esse índice é calculado somando-se os seguintes resultados, para cada um dos 7 meses do ciclo anual da safra (de abril a outubro, no hemisfério norte, e de outubro a abril, no hemisfério sul):

[(temperatura média do mês, em °C) – 10] x (nº de dias do mês)

Que fique claro que esse não é o único sistema de medição utilizado no mundo; A Universidade da Califórnia, por exemplo, desenvolveu um método similar, chamado “Escala de Winkler”, para classificar o clima das regiões vitícolas. A Escala de Winkler é usada também em outras regiões produtoras dos EUA, como Oregon e Washington, enquanto o Heat Degree Days (HDD) é o sistema mais usado, por exemplo, na Austrália.

É importante salientar, também, que algumas uvas são mais propensas a uma boa adaptação a climas frios, do que outras. Bons exemplos de cepas que prosperam nas regiões frias são Chardonnay, Pinot Noir, Riesling, Cabernet Sauvignon, Sauvignon Blanc, Cabernet Franc e Merlot.

Independente do vinho ser ou não de clima frio, é muito interessante pensar em quanto o mundo dos vinhos tem a nos ensinar, não é mesmo?




Quem somos

 

O Tintos&Tantos nasceu em 2013, e em seu pouco tempo de vida, já se tornou uma referência no mercado editorial de vinho, nacional e internacionalmente.

 

Para contar quem somos, primeiro vamos dizer quem nós não somos. Não somos um blog de vinhos. Não somos críticos de vinhos.

 

O Tintos&Tantos é um portal de Internet, que dá acesso a um conteúdo editorial, de produção própria, inteiramente dedicado ao mundo do vinho. 

 

Nossa contribuição é prover informação imparcial, relevante e gratuita.  Sempre em linguagem acessível e agradável de ler.

 

O intuito do Tintos&Tantos é o de fomentar o estudo, o interesse, a crítica, e até mesmo a polêmica a respeito do vinho.

 

Nosso foco não é competir com outros geradores de conteúdo, pelo contrário: ao sermos mais um agente no desenvolvimento desse mercado, e na consolidação dessa cultura, todos nós, apaixonados por vinho, ganhamos: consumidores, editores especializados, blogueiros, youtubers, produtores, importadores, sommeliers, enólogos e enófilos em geral...

 

Na nossa opinião, quanto mais gente do bem estiver falando sobre o mundo do vinho, com respeito e profissionalismo, melhor para todos nós.

 

Assim, é com imensa satisfação que criamos conteúdo diário e interagimos com cada leitor, através dos nossos canais de comunicação e de mídias sociais. 

 

No Facebook (www.facebook.com/tintosetantos), por exemplo, onde tantos amigos nos acompanham, é com orgulho que constatamos ser, o Tintos&Tantos, a maior página do Facebook, no mundo, em sua categoria! Uma comunidade de pessoas curtindo, comentando, se divertindo, aprendendo e ensinando, concordando e discordando... Todos nós, apaixonados pelo maravilhoso universo que cerca o vinho.

 

Não somos donos da verdade. Na verdade, recomendamos fortemente que se duvide de qualquer um que diga conhecer tudo sobre vinhos.

 

Esperamos que você aprecie e que continue nos acompanhando, e sempre que possível, ajudando na divulgação e propagação desse projeto, cujo foco será sempre você, vinhonauta!

 

A você, o nosso muito obrigado!

A você, o nosso brinde!

 

Em caso de dúvida, crítica ou sugestão, entre em contato pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.