Um monte de gente foge de agulha, com medo da dor da picada... Mas nesse caso aqui, não há riscos! Muito pelo contrário...
 
Isso porque sempre há mais a aprender. Sempre há mais a saber...
 
Ninguém tem problema em escolher o seu sabor de suco de fruta favorito, no restaurante, diante do garçom. Ou então em dar sua opinião sobre os diferentes refrigerantes disponíveis no mercado, durante uma conversa sem importância. O mesmo não acontece com os vinhos, já percebeu? Por que, raios, o mundo do vinho é às vezes tão intimidador?
 
O título do artigo é uma brincadeira, mas o assunto é sério...!
 
Esse artigo é para quem acha que o conhecido, bom e velho tinto argentino, elaborado com Malbec, é o limite do que essa cepa tem a nos oferecer...
 
Como já dissemos no ano passado, é tempo de planejar. Tempo de prometer. Tempo de se comprometer.
 
O universo do vinho é muito vasto, e torna-se cada vez mais interessante, conforme nos aprofundamos. Esperamos que esse glossário possa ajudá-lo na sua viagem por esse mundo. Mas a principal dica é: desconfie de qualquer um que achar que sabe tudo...
 
Na leitura correta do rótulo, e também do verso da garrafa, você descobre muito sobre o vinho antes de comprá-lo. São informações que estão lá para ajudar a nossa escolha. Fique atento:
 
Entre as informações presentes em um rótulo de Champagne, você vai encontrar um código. Secreto?! Não, nem um pouco...
 
Um vinho espetacular nunca é fruto do acaso. É sempre o resultado de talento e de trabalho.
 
Você compraria um vinho hoje, para recebê-lo somente daqui a alguns anos? Um vinho que ainda nem foi engarrafado? Pode parecer estranho, mas esse é um expediente bastante comum, no mundo do vinho.
 
Por mais que soe estranho, um Vinho Verde não é um vinho verde. Verdade.
 
Quem é quem, e quem faz o quê? Quem nunca teve essa dúvida, que atire a primeira taça de vinho!!!
 
Esse é um assunto interessante de discutir, além de polêmico. Será que só tem vinho bom, quando o preço é alto? De jeito nenhum!
 
Para produzir vinho branco, uva branca. Para produzir vinho tinto, uva tinta. É isso, mesmo? Nem sempre.
 
 Há muito assunto sobre o vinho chileno... E são muitas as surpresas!
 
Há algum motivo para a escolha de garrafas coloridas para envasar o vinho?
 
Esse é um termo que chama a atenção, em um rótulo, certo? Mas por quê?
 
Sim. Enquanto é inverno em um hemisfério, é verão no outro. Até aí, nenhuma novidade. A novidade é que os verões europeus parece que andam cada vez mais “verões”!
 
Existe um mito, que diz que todo vinho bem pontuado é inacessivelmente caro, e isso não é verdade. É possível achar vinhos conceituados a preços bem interessantes. Mas, obviamente, boas pontuações têm sim, influência no preço de mercado de uma garrafa.
 
Se você já se pegou pensando sobre uma sujeirinha de final de taça, típica de alguns vinhos e até mesmo de alguns sucos de uva, chegou a hora de entendê-la melhor...
 
Vamos pensar um pouco mais na garrafa de vinho.
Em primeiro lugar, vamos analisar suas partes:
 
Vamos falar dos diferentes tamanhos das garrafas de vinho? Afinal, tamanho é documento?
 
Essa é uma alternativa mais econômica, não só pelo custo da matéria-prima, em si, mas também pelo custo da logística. Além disso, é uma embalagem com menor impacto sobre o meio ambiente. Vamos pensar sobre o assunto?
 
Todo mundo gosta de rankings, ainda mais quando eles nos surpreendem. Veja, por exemplo, o que diz a OIV, em uma análise que acaba de ser divulgada.
 

Vinho congelado

Sobrou um pouco de vinho. Dá para guardar para amanhã? Dá, mas que tal pensar em outra alternativa?
 
Já ouvimos, algumas vezes, que beber vinho na França, é mais barato que beber refrigerante. É claro que depende do vinho.
 
Uma pesquisa, realizada nos Estados Unidos, Alemanha, China, Chile e Argentina, traz informações interessantes a respeito de nós, apaixonados consumidores de vinho.
 
Até pouco tempo atrás, praia e piscina eram sinônimos de cerveja. Mas, se você der uma olhada mais atenta, à sua volta, verá que também há, nesses locais, consumidores de vinho. E por que não?
 
Algumas dúvidas a gente deixa de tirar, às vezes até por vergonha de perguntar. Aqui, não! 
 
Esse é um adjetivo que anda na moda, no mundo dos vinhos. Alguns enólogos orgulham-se ao afirmar que produzem vinhos autênticos. Você sabe o motivo?
 
Algumas bebidas são, decerto, bastante associadas às estações do ano, e têm seus próprios ritos de consumo.
 
Há 2 maneiras muito distintas de analisarmos quem consome mais vinho, ao redor do mundo.
 

É primavera!

Você sabe o que se passa nos vinhedos, durante a mais celebrada das estações? Essa é, para a vinha, uma época de renovação, e de muitos acontecimentos!
 
Fique atento aos tintos chilenos. Você está prestes a assistir a uma interessante mudança de estilo de vinificação. Uma retomada, na realidade, de ideias que haviam ficado para trás.
 

Quem dá mais?

Comprar vinhos por meio de leilões pode ser divertido, emocionante, e até mesmo compensador, em termos de investimento.
 
Dentre as opções disponíveis para o fechamento das garrafas de vinho, a rolha de cortiça ainda é a mais charmosa delas... Então, vamos a elas! 
 
Talvez você já conheça essas expressões, talvez não. Vamos tentar apresentá-las e decifrá-las.
 
Nem todo o rótulo de vinho traz a variedade da uva utilizada na sua produção. Esse é o padrão utilizado em vinhos do Novo Mundo, mas não é o que encontramos na maioria dos rótulos da França, Itália, Espanha, Portugal...
 
Não, não é a mesma coisa que vinho orgânico. Então, afinal, o que é um vinho natural?
 
Você já deve ter visto, várias vezes, a expressão “solos vulcânicos”, referindo-se a determinado vinho ou vinhedo. Afinal, por que alguém escolhe plantar (e viver) perto de um vulcão?
 
Engana-se quem pensou em vinícolas altamente industrializadas, e deduziu que estávamos falando no Novo Mundo, menos afeito a tradições e costumes.
 
Quando você acha que já viu tudo sobre a França, aparece um francês fazendo você rever seus conceitos...
 
As decisões que o enólogo toma, ao longo de todo processo de produção dos vinhos, têm impacto direto no resultado daquilo que degustaremos... Que tal alguns exemplos?
 
O mundo da classificação de vinhos degustados e pontuados por críticos especializados não é feito somente de escalas numéricas, que vão até 100. Já ouviu falar em Bicchieri?
 
A localização de uma vinha faz toda a diferença no vinho que pode ser produzido. Você nem imagina o quanto...
 
Vintage é uma palavra que está na moda... Mas você sabe o que significa?
 
São muitas as variedades da espécie Vitis Vinifera, e cada uma delas é capaz de produzir um vinho único, de características singulares. Mas, e quando elas se juntam?
 
A visão aérea de um vinhedo certamente traz informações diferentes e complementares à visão que o viticultor tem, in loco, e de perto. Pequenas aeronaves, ou helicópteros, são eventualmente utilizados para esse fim, mas seu uso não costuma ser economicamente viável.
 
Uma das muitas delícias que o vinho proporciona é o vasto conhecimento à disposição, para aqueles que buscam entender o seu universo.
 
Você descobre uma receita sensacional, que leva vinho, entre os ingredientes. Na prateleira do supermercado, vem aquela dúvida: qual vinho levar?
 
Em 1953, em Londres, a Companhia dos Negociantes de Vinho definiu um exame para medir a qualidade profissional no ramo. Somente 6 pessoas passaram no exame, e passaram a ser reconhecidas como Masters of Wine.
 
Se você já viu esses nomes, é muito provável que tenha deduzido que são sinônimos. Os nomes são tão semelhantes que até parece uma pegadinha de Baco...
 
Você já viu um desses termos, em rótulos de espumantes? Sabe o que significam?
 
Jerez, Porto, Madeira e Marsala são excelentes exemplos de vinhos fortificados. Mas, afinal, o que faz um vinho ser fortificado? Como ele é produzido?
 
Os vinhos rosés são geralmente elaborados a partir de variedades de uvas tintas, como a Grenache, na França, e a Zinfandel, na Califórnia.
 
A elaboração de espumantes pode ser feita por diferentes processos, mas dois são os mais utilizados: o método Champenoise, e o Charmat.
 
Um grande mito a desfazer é que vinho branco é produzido somente com uvas brancas! Se você ficou surpreso ao saber que uvas escuras podem virar vinho branco, esse é mais um motivo para continuar lendo...
 
Basicamente, as uvas são colhidas e esmagadas. Ao fermentarem, o açúcar é transformado em álcool, e o vinho está pronto... Se você achou básico demais, continue a ler!
 
Você já viu esse termo, já conhece esses vinhos? Se já conhece, provavelmente gosta. Se não conhece, precisa conhecer...
 
Não se surpreenda ao saber que algumas pessoas cospem o vinho... E saiba que essas pessoas amam o vinho; muitas delas dedicam sua vida a ele...
 

Robert Parker

Aos 20 anos de idade, o então estudante de direito Robert Parker passou um mês de férias na francesa Alsácia, quando surgiu seu interesse por vinhos, que mudou sua vida, e influenciou o mercado mundial dessa bebida!
 
Muitos vinhos são conhecidos e reconhecidos não pelas uvas das quais são feitos, mas por nomes geográficos, como os Bordeaux franceses, os Chianti italianos, os Rioja espanhóis... Por que será que isso acontece?
 
Três nomes parecidos, duas uvas diferentes. Esse é o primeiro conceito para desfazer essa confusão!
 
Apreciar ou não determinado vinho depende, antes de mais nada, de gosto pessoal. Apesar disso, acompanhar as pontuações internacionais dos vinhos pode ser um bom indicativo, principalmente se a gente entender o diferente significado de cada uma.
 
O mundo do vinho é tão vasto quanto as dúvidas sobre ele... Selecionamos algumas perguntas frequentes, com respostas rápidas. Divirta-se!
 
Muito se fala sobre os taninos do vinho. Sobre vinhos mais e menos tânicos. Mas o que são esses taninos? De onde eles vêm? Quais são os vinhos com mais e com menos tanino?
 
Talvez você já tenha pensado sobre isso... Como podem existir vinhos de menos de 20 reais, e vinhos que custam “alguns mil” reais? O que diferencia, realmente, um vinho econômico, de um médio, um premium, ou até um inatingível?
 
Ambos são vinhos fortificados de origem portuguesa. Simplificando, os dois caracterizam-se pela riqueza em álcool e pelo teor em açúcar. São o resultado de uma fermentação alcoólica parcial, interrompida pela adição de aguardente vínica de alta qualidade. Mas e o que os diferencia?
 
Pense num vinho temperado com especiarias, casca de laranja, servido quase fervendo. Não, não pense em festa junina. Não estamos falando do nosso delicioso vinho quente servido em volta da quadrilha; estamos falando de Glühwein, o vinho quente europeu.
 
Apesar da popularidade cada vez maior dos vinhos espumantes entre os brasileiros, a confusão ainda é grande. E uma das maiores confusões acontece entre os termos espumante e frisante.
 
Não deixe essa pergunta pegar você de surpresa. Entenda os termos, e deixe sua resposta preparada, na ponta da língua.