Edoné Rosé Gran Cuvée

Recomendação Tintos&Tantos

Edoné Rosé Gran Cuvée

Quem nos acompanha sabe que apreciamos o inusitado, o criativo, o raro. Não é à toa que nos encantamos e recomendamos esse vinho, cujo nome, Edoné, significa prazer!

Muito provavelmente esse é o único vinho espumante, no mundo todo, elaborado a partir do corte das uvas Tempranillo e Syrah (cada uma com 50% de participação). E, quem traz o Edoné Rosé Gran Cuvée para o Brasil é a Hispania Vinhos.

Quem deu vida, com muita competência, a esse projeto tão diferente foi a Viñedos Balmoral. Apesar de ter uvas típicas de espumante, como Chardonnay e Pinot Noir, sendo cultivadas em seus vinhedos, que ficam a mais de 1.000 metros de altitude, a família García Palazón, proprietária da vinícola, decidiu inovar.

Mas foi uma decisão bastante consciente, pois era evidente que suas uvas Tempranillo e Syrah, graças a altitude dos vinhedos, produziam vinhos capazes de envelhecer sem perder o frescor da juventude, o que se traduz em uma promissora característica para vinhos espumantes serem considerados de alta qualidade.

E, para produzir espumantes com o mesmo nível dos melhores Champagne, a Viñedos Balmoral conta com o apoio do enólogo francês Hervé Jestin e sua experiência de mais de 30 anos nas grandes casas de Champagne, sua terra de nascimento.

Um detalhe muito interessante do processo de produção do Edoné Rosé Gran Cuvée: ele é produzido a partir do mosto mais puro possível das uvas, aquele que escorre apenas e tão somente como resultado do peso dos bagos uns sobre os outros, sem nenhum tipo de prensagem sobre eles.

Antes de ser engarrafado o Edoné Rosé Gran Cuvée estagia em barrica de carvalho francês, onde acontece a sua primeira fermentação. Mas isso não faz com que esse se torne um vinho com excesso de taninos, pois o tanino da madeira interage com as leveduras, e acaba sendo removido, na sua maior parte, junto com elas, no processo de Dégorgement. Para entender que processo é esse, clique aqui.

A segunda fermentação, que é a transformação de vinho tranquilo em vinho espumante, acontece dentro da garrafa, seguindo todos os passos do Método Tradicional, ou Champenoise, inclusive um período de 24 meses de maturação sur lies, que confere ao vinho benefícios como complexidade de aromas, estabilidade de cor, longevidade, estrutura... 

O resultado de tanto esmero na produção é um vinho rosé espumante de cor intermediária entre um cobre de tonalidade clara e um salmão. As borbulhas são finas e delicadas, muito contínuas e bastante duradouras, formando uma imagem bastante atraente.

O Edoné Rosé Gran Cuvée tem um nariz inebriante que mistura cerejas maduras com amêndoas, um leve toque de lichia, e notas florais bem presentes. Uma experiência sensorial fantástica. E, para aproveitá-la ao máximo, sugerimos servir esse vinho a aproximadamente 7°C.

Esse é um vinho com 13% de teor alcoólico e com boca elegantemente bem seca, sendo classificado como Extra Brut, classificação que apresenta uma sutil diferença de país para país, mas que de qualquer forma refere-se a um vinho mais seco que o Brut, mas que não chega a ser um Nature.

Para harmonização, seguiremos a máxima “nasceu junto, serve junto”, sugerindo a combinação desse vinho com jamón (presunto ibérico). Ok, pode ser presunto parma, o presunto cru italiano, tudo bem... Mas a nossa melhor dica vem agora: A gente não conseguiu imaginar nenhum vinho melhor que o Edoné Rosé Gran Cuvée para harmonizar com uma caprichada paella espanhola!

Para encerrar, se quiser conhecer outro rótulo elaborado pela Viñedos Balmoral, que nós também degustamos e recomendamos, clique aqui.

E, se quiser saber mais sobre a Recomendação Tintos&Tantos, clique aqui.