Cadê o vinho que estava aqui?

Deixe um vinho por décadas dentro da garrafa, e você vai observar um fenômeno interessante: aos poucos, o nível do vinho vai diminuir.

Na verdade, toda garrafa de vinho, jovem ou velho, tem um “espaço vazio”. Ou seja, nenhum produtor preenche a garrafa de vinho na sua totalidade, antes de fechá-la.

Esse espaço livre serve, por exemplo, para permitir uma possível expansão do líquido, sem o rompimento da garrafa.

Aqui cabe uma observação. Já aconteceu de você congelar alguma coisa em vidro, sem deixar uma folga até o gargalo, e o vidro estourar dentro do freezer? Pois bem, se houvesse tal espaço livre, isso não teria acontecido.

Chamamos esse espaço livre da garrafa de vinho de ullage, que pronuncia-se como se fosse “ãladge”.

Ullage vem do latim oculus, que significa “olho”. Os romanos usavam a palavra oculus, no sentido figurado, para se referir ao buraco de um barril. Na Idade Média, o idioma francês, que encontra a origem de parte do seu vocabulário no latim, passou a adotar o termo oeil (olho), e depois o verbo ouiller, para o processo de preenchimento de um barril. Daí surgiram as palavras ouillage em francês, e ullage, em inglês.

Mas vamos à parte prática: Para que serve conhecer esse assunto? Resposta: Para saber se há, por exemplo, algum problema de vedação ou de armazenagem, que possa ter comprometido o vinho! É bem simples, acompanhe!

Olhando para uma garrafa de vinho jovem, é normal que o vinho esteja preenchido até quase alcançar a cápsula que envolve o gargalo. O tamanho do espaço vazio esperado, nesse caso, é de mais ou menos apenas 0,3 cm.

Mas um espaço um pouco maior, contanto que ainda limitado somente ao pescoço da garrafa, é considerado normal, não sendo um indicativo de problema em nenhum vinho, jovem ou velho.

Agora, quando esse espaço vazio começa a ultrapassar o pescoço em direção ao ombro da garrafa, é preciso mais atenção. Um vinho jovem, que apresente essa condição, provavelmente tem algum problema de vedação, e não deve estar em condições ideais para consumo.

Quanto mais velho o vinho for, maior tende a ser esse espaço vazio. Contudo, quando o nível de preenchimento do vinho estiver aproximando-se do final do ombro da garrafa, provavelmente esse vinho terá oxidado, e talvez já tenha deixado de ser bebível.

Mas para onde vai esse vinho, que naturalmente vai sumindo aos poucos? Como isso acontece?

 Parte do vinho que desaparece, na verdade evaporou. O fechamento da garrafa com rolha não é um processo absolutamente hermético, permitindo, assim, uma microevaporação, que com o tempo torna-se perceptível.

 Outra pequena parte do vinho pode ter sido absorvida pela cortiça, ao longo do tempo, em garrafas armazenadas deitadas.

E quais problemas podem acelerar o aumento desse espaço?

 Exposição ou armazenagem em ambientes muito secos, que podem ter feito o vinho não somente evaporar mais do que o esperado, como também oxidar. Se quiser ler mais sobre isso, clique aqui.

 Vedação comprometida por outros motivos quaisquer, inclusive de qualidade de fabricação, e que pode ter feito o vinho não somente evaporar mais do que o esperado, como também oxidar, ou até mesmo estar de alguma forma contaminado.

Viu como é útil, sim, saber sempre um pouco mais? Como dizem, conhecimento nunca é demais! Saúde!




Você está em

Quem somos

 

O Tintos&Tantos nasceu em 2013, e em seu pouco tempo de vida, já se tornou uma referência no mercado editorial de vinho, nacional e internacionalmente.

 

Para contar quem somos, primeiro vamos dizer quem nós não somos. Não somos um blog de vinhos. Não somos críticos de vinhos.

 

O Tintos&Tantos é um portal de Internet, que dá acesso a um conteúdo editorial, de produção própria, inteiramente dedicado ao mundo do vinho. 

 

Nossa contribuição é prover informação imparcial, relevante e gratuita.  Sempre em linguagem acessível e agradável de ler.

 

O intuito do Tintos&Tantos é o de fomentar o estudo, o interesse, a crítica, e até mesmo a polêmica a respeito do vinho.

 

Nosso foco não é competir com outros geradores de conteúdo, pelo contrário: ao sermos mais um agente no desenvolvimento desse mercado, e na consolidação dessa cultura, todos nós, apaixonados por vinho, ganhamos: consumidores, editores especializados, blogueiros, youtubers, produtores, importadores, sommeliers, enólogos e enófilos em geral...

 

Na nossa opinião, quanto mais gente do bem estiver falando sobre o mundo do vinho, com respeito e profissionalismo, melhor para todos nós.

 

Assim, é com imensa satisfação que criamos conteúdo diário e interagimos com cada leitor, através dos nossos canais de comunicação e de mídias sociais. 

 

No Facebook (www.facebook.com/tintosetantos), por exemplo, onde tantos amigos nos acompanham, é com orgulho que constatamos ser, o Tintos&Tantos, a maior página do Facebook, no mundo, em sua categoria! Uma comunidade de pessoas curtindo, comentando, se divertindo, aprendendo e ensinando, concordando e discordando... Todos nós, apaixonados pelo maravilhoso universo que cerca o vinho.

 

Não somos donos da verdade. Na verdade, recomendamos fortemente que se duvide de qualquer um que diga conhecer tudo sobre vinhos.

 

Esperamos que você aprecie e que continue nos acompanhando, e sempre que possível, ajudando na divulgação e propagação desse projeto, cujo foco será sempre você, vinhonauta!

 

A você, o nosso muito obrigado!

A você, o nosso brinde!

 

Em caso de dúvida, crítica ou sugestão, entre em contato pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.